sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo e cuequinhas azuis para toda a gente

Prestes a enfrascar-me num canto escondido da sala, para os adultos não verem e na esperança de que o álcool acabe cedo com este tormento que é o dia da passagem do ano, vim só cá dizer duas coisinhas:

Por favor, ainda vão a tempo e corram a trocar as cuequinhas de licra xunga azul clarinha por coisa um bocadinho mais fina.

Mas pelamordedeus não comprem daquelas com bonequinhos, que eu hoje passei em várias montras que ostentavam orgulhosas cuequinhas com a Kitty no sitio do pipi, cuequinhas com a cara da rata namorada do mickey e outra bonecada medonha.


Fujam disso

Ninguém, homem ou mulher, fica bem com as partes intimas tapadas por bonecada, ninguém.

Isto posto,

É entrar com o pé direito faxavor e muita saúdinha para todos!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ai que doçura!

Apanhei um vírus.
Uma cena que deu cabo de mim.
O que é que se retirou de bom, deste parasita que se alojou no meu aparelho digestivo e que me atirou sem dó nem piedade para o leito, por mais de 48 horas, seguidas?!

Não engordei nas festas!
Ó iééé.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal pra voceis!

E é isto.

Bisu.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Iésse, sou eu outra vez

Bom, eu sempre gostei muito do Natal.
Mas depois, há precisamente um ano, aconteceu uma coisa muito horrível que deu cabo, primeiro do Natal, depois dos aniversários das pessoas e foi por aí fora numa escalada de desgraças e acontecimentos filhosdaputa que não lembra nem ao Menino Jesus (esta expressão, apesar de gasta, faz, hoje, todo o sentido)

Resultado, há precisamente um ano mudou tudo. TU-DO.

Daí que, vendo aproximar-se a passos largos o Natal, a mim, deu-me para deixar de escrever.
maaaaaaal.
Agora primeiro que consiga pôr isto a funcionar como deve ser, vai ser um bonito…

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Todos os dias aprendo coisas novas

E esta semana tive de me debruçar afincadamente sobre o GHB, vulgo rape drug, sobre os cogumelos mágicos e sobre o MDMA, a pílula do amor mais conhecida por ecstasie.

E depois deste trabalho, fui obrigada, porque eu não queria, mas infelizmente tenho de adquirir bens essenciais lá para casa e nessa medida, preciso de ganhar dinheiro, mas como dizia, tive de me dedicar ao estudo e preparação duma coisa que envolve conceitos vários, tipo, POCAL, guias de receita, contabilidade de dinheiros públicos, Relatórios do Tribunal de Contas, documentos de conferência de contabilidade vs tesouraria, redes e funcionamento de sistemas informáticos de entidades publicas e mais umas merdas que nem vos passa pela cabeça.

Dada a natureza estupida, mas principalmente pouco clara para esta minha cabecita estouvada e pouco esperta, dos conceitos constantes do paragrafo anterior, estou esgotada.

É tudo muito lindo e coiso, ai aprender coisas novas, que bem...

Mas não fosse eu nunca ter experimentado droga de espécie alguma e hoje salteava uns cogumelos. Mágicos.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pessoas,

Encontro-me sem inspiração
e nada de interessante tem sucedido na minha vida, que seja digno de uma linha que seja, quanto mais um post inteiro.
Ajudem-me a manter este espaço a bombar.
Aceito sugestões para teses e dissertações.

Aguardo,
truly yours,
Rachel

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

De maneira que é assim

eu nasci sem a especificidade "sentido de orientação"

daí que sou grande amiga do tom tom, mesmo muito amiga, desde que ele veio parar ao vidro da frente da minha viatura

dantes, quando não o tinha, passei por grandes trabalhos,
como daquela vez que para ir para uma terra perto de Coimbra, fui ganhar lanço a Viana do Castelo, ou da outra que para ir para Oliveira de Azeméis, fui dar a volta por Vila Real

mas depois chegou o tom tom em minha vida
foi espectacular

só há um pequeno problema
o tom tom leva-me ás cidades e vilas e assim, mas tem uma grande dificuldade em levar-me até à porta dos Tribunais
e na verdade é para isso que o tom tom serve no essencial, para ir até à portinha do Tribunal

mas não, pelos visto, em todo o Portugal, os unicos sitios (tirando o cimo dos montes) que o tom tom não conhece de lado nenhum, são as moradas dos Tribunais
daí que eu meça a minha afinidade ou falta dela, pelas cidades e vilas do meu país, pela facilidade com que se consegue chegar ao Tribunal

têm sido tempos de luta estes, my friends, mas descobri uma cena no tom tom que memoriza as posições e assim, de maneiras que, nos favoritos do GPS tenho tudo o que é Tribunal e mais uns quantos Julgados de Paz

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Já tou cheia di a oubire

olha! o que é que a Rachel traz agarrado ao sapato, é uma chiquelete? Ah não, é só a gaja que faz inqueritos sobre tudo e mais um queijo.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Ás tantas aceito

Vinha eu alegremente a puxar o meu trolei, sim eu tenho um trolei onde ponho as minhas ferramentas de trabalho e que anda comigo para todo o lado, que eu sofro da coluna e não posso andar carregada que nem uma mula, com malas nos ombros, e vem um dos assistentes de orientação rodoviária ter comigo e diz-me assim: olhe que eu por um euro levo-lhe o carrinho de mão todos os dias ao escritorio, quer?

Quem se lembra das vizinhas do 5º direito frente ponha o dedo no ar

Pois bem, já não são as mesmas.
As outras devem ter fugido com medo, ou assim.
Agora temos umas novas.
Muito activas. E o que quero dizer por activas é exactamente o que o leitor está a pensar.

Por mim tudo bem, mas todos os dias?!
Todos?

Olá!

Sou eu, a tua dona, remember?
Amanhã volto para te pôr a funcionar como deve ser, que isto aqui até mete dó.

Bisou.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Um dia acordei e era transparente

Juro, transparente.
Só não sei há quanto tempo isso foi.
Mas hoje acordei transparente há demasiado tempo.
Demasiado.

?

Eu gostava de saber quem é a entidade suprema que regula o desinteresse.
Não posso crer, que me tenha posto a MIM, na lista do dito. Quero lá ir escrever no livro da cor da cara dos simpsons.

Até me emocionou

dois progenitores, masculino e feminino, que já foram um dia casados, partilham a guarda de dois menores.
quinze dias na casa da mãe, quinze dias na casa do pai.
e funciona!
os miudos levam a vida numa normalidade desconcertante.
e isto, sim, é que realmente importa.
(mas que ninguém se iluda, isto só resulta se houver uma elevação moral absolutamente fora do comum, por parte dos pais.)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

E dito isto

preocupem-se mazé com os tiros nos pés que deram durante toda a sessão da manhã, que eu tenho mais que fazer. Trabalhar, por exemplo.

E no dia em que tal acontecer

é porque foi promessa ou uma merda assim.

Eu já disse que não sou pessoa de vestir fatinhos e camisinhas de gola dura,

Portanto, lixai-vos, óraite cámóne?

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Moral da história, é-me muito dificil ultrapassar esta merda toda

Aconteceu-me uma coisa há uns meses que me magoou profundamente.
Quer dizer, já me tinha acontecido outra, que me tinha magoado incomensuravelmente mais e por causa disso andei aí como um cão da rua e por causa disso andava sem pêlo e magra como um cão da rua e sem ninguém que me desse um osso para eu me entreter, enfim, andava aí mesmo toda fodida.
Esse circunstancialismo, o do cão da rua, fez com que de vez em quando rosnasse e mostrasse os dentes.
Mas não era a quem me dava um osso de vez em quando, não, que a essas pessoas, mesmo sendo da rua, eu cão era agradecida, era a pessoas que se estavam bem a cagar para o facto de eu estar um cão da rua.
Ah, era uma cão tão lindo e agora anda prái a rosnar e a mostrar os dentes ou então a passar pela gente sem abanar o rabo, o cabrão do cão.
E então, um dia, alguém vai de fazer queixa à Camara Municipal, a dizer que andava ali um cão mal disposto, a rosnar sem ter razão.
Os fiscais da Câmara vieram logo, de açaime e com aquelas cenas que são um pau comprido com uma argola na ponta, que é para agarrar o cão de longe, não vá o bicho morder, ou uma merda dessas.
Encontraram-me acossada, encostada ás redes, sem possibilidade de fuga, e eu ouvia-os dizer, que sim, era um cão sarnento, malcriado e mal disposto, que já lhe tratavam da saúde, que ia ver o que era bom para a tosse... e a pessoa que chamou os fiscais toda exaltada a dizer, levem, levem, que não faz falta a ninguém, não abana o rabo, não senta nem rola, não faz nada de jeito o raça do cão, isso, isso, levem daqui esse animal...
E se bem pensaram, os fiscais assim fizeram, atiraram-me com o tal pau, apanharam-me pelo pescoço, fui de zorro até à carrinha que me conduziu ao canil.
Eu sabia que era uma questão de tempo até lá meterem outro cão da rua igual a mim.
Mas no tempo que lá passei sozinhinha, só pensava mas por que caralho aquela gente não foi capaz de me dar um banho, um prato de comida e uma manta para eu me deitar?
E depois, se eu ainda assim mordesse na mão que me deu de comer, então entregavam-se a quem quisesse aturar cães de rua mal agradecidos...
E como dizia no inicio, isso magoou-me profundamente.
Porque nem a um cão da rua, quanto mais a mim... fôda-se!

Assim de repente

Entendi como se sente o Martim Manhã.

Há mais...

Olha em volta, aponta para os meus óculos escuros, que estão ao lado da chave do carro e diz:

E também queria andar de óculos a conduzir, e tudo.

(sendo eu fumadora, trabalhadora, utilizadora de óculos escuros e condutora, olho por mim abaixo e penso que se calhar será melhor eu não me levantar, não vá o senhor apontar para o meu vestido e dizer que ela também queria andar com as pernas à mostra do joelho para baixo)

Chega aqui e diz que se quer divorciar

porquê?
porque ela fuma e trabalha.

Plano de austeridade

Fico feliz por não gostar de atum.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Acho bem.

Para terminar:

"Agora deu-lhes para isto! Ainda hoje ouvi na televisão que foram apresentadas mais de 15.000 queixas por violencia doméstica este ano... é moda! É como os crimes de abuso de confiança fiscal."

(poizé! tal e qual)

Continuação, parte II

"O senhor nega ter algum dia batido na sua esposa?"
"Nego"
"E também nega algum dia ter privado a sua esposa de ter chave de casa e do carro, nega isso também?"
"Han?"
"Senhor Fulano, o senhor algum dia tirou as chaves de casa e do carro à sua esposa?"
"Ah, isso sim"
"E fê-lo como? Ela entregou-as de livre vontade a si? Não, pois não?"
"Não"
"E o senhor, tirou-lhe as chaves e guardou-as noutro sitio ou como foi?"
"Tirei-lhas... foi, tirei-lhas"
"E tirou-as como?"
"Arranquei-as"
"AH! Então tirou-lhas com violência, foi isso?"
"Ui, aquilo foi assim tipo uma brincadeira, ela puxava para um lado e eu puxava para o outro, o meu filho viu, mas era uma brincadeira que nós fazíamos, uma brincadeira, sabe como é?"

(não, não sei, senhor abusador, não sei)

Continuação:

"Olhe, a sua esposa saiu, quer dizer, fugiu de casa, não foi?"
"Foi"
"E foi para uma casa de acolhimento da APAV, não foi?"
"Foi"
"E o senhor sabe porque é que tal situação aconteceu?"
"Eu não."
"Tem a certeza?"
"Ah, se calhar queria liberdade... (pausa) queria ver o mundo. Se calhar foi isso."

(pois foi, queria ver o mundo através dos olhos todos fodidos, inchados e negros. se calhar foi isso)

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Realmente... se foi só isso...

E perguntava o Sr Dr numa inquirição demasiado inflamada para a parca audiência que tinha:
Então, pelo que me está a dizer, foram só o quê? Uns beliscões nas pernas? Impropérios? Puxões de cabelo? Foi só isso? FOI SÓ ISSO QUE LHE FEZ O SEU MARIDO?
Não, Sr Dr. também me atirou contra um guarda fatos que a porta até partiu.
Ah, então foi só isso, não é? Sim senhora.
(e recosta-se na cadeira com ar enfadado, ensaiado, claro está, mas mais uma vez, demasiado, para a parca audiência)

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Amor é:

Escrevi isto aqui, não foi?

Hoje, o correio trouxe-me mimos, beijos, abraços, festinhas e tudo o que eu precisava.
(Bastava o bilhete, Joana... bastava o bilhete...)


...

Na semana em que o meu filho faz 15 anos, a minha filha faz 15 meses.
E é esta.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Queria aproveitar este espaço

Para desejar o melhor que o mundo (que até é pequeno para ela, mas vá) lhe tenha para oferecer.
Que agarre com unhas e dentes, que vá em frente sem medos e que the time is now e a hora é dela.
Desejo também que se ponha a assoberbar e matar de espanto quem lhe aparecer à frente nos próximos tempos, com os textos que escreve e com a criatividade que tem.
E queria dizer também:
Margarida, gosto mesmo muito de ti.

Quanto ao Prémio Nobel

É isto.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

E quando acordas e não queres?

Sim, não queres acordar, não queres deixar de dormir, não te apetece passar do plano dormir para o plano acordar? Não é aquele não querer acordar de ai eu queria era estar na caminha, que está frio lá fora e que tenho que trabalhar que aborrecimento e que o IVA vai para uma percentagem pornográfica e eu queria era ficar a dormir, não não é esse. É o outro. É não querer participar de todo esse plano absurdo que é o plano em que se encontram as pessoas que têm, efectivamente, de viver. Que remédio, é a vida... temos que a levar para a frente, lá terá de ser, que remédio...
NÃO QUERO ISTO!
Para ser essa merda, não quero, ok?
Ok.

Ando mesmo precisada de:

Palmadinhas nas costas
Beijinhos na cara
Festinhas no braço
Abracinhos apertados,
Palminhas para a Rachel

E

Um casaco de inverno da Globe, com mangas três quartos e forro rosa velho.
Umas botas em pele castanhas muito caras
Sapatos de salto alto e sola compensada para não magoar os pés
Camisas brancas de bom corte
Um vestido azul escuro
Cintos de várias larguras e cores, para meter por cima dos vestidos
Meias opacas cinzentas, azuis escuras e pretas
Uma base nova da Cargo
Um blush novo
Um lip gloss novo da Lancôme, que o meu, Joaninha, acabou esta semana!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Por exemplo, ouço isto e choro que nem uma perdida...

Para além disso

Ando a deprimir aos bocadinhos.
Quando tenho um tempinho, vou deprimir.
Mas deprimo muito bonito. Primeiro ouço uma musica que me faz doer a alma, depois começo a pensar em todas as merdas que me consomem a dita, depois o beicinho a tremer, choradeira desenfreada, choro, choro, choro e depois, ai jesus, que horas são, ai que tenho tanta merda para acabar, ai que estou tão fornicada, ai os prazos, ai os contratos, ai os telefonemas que ainda tenho para fazer, ai as compras do Pingo Doce, ai os miúdos, ai caralho que me ía esquecendo da miúda sozinha no infantário, aiiiiiiiiii...

E pronto, é assim.
Deprimo nos intervalos da minha miserável vida.

É uma depressinha, mais do que uma depressão, mas é tudo como manda o figurino, com sangue suor e lágrimas...

...

Bom,
A semana passou.
O fim de semana também e eu nem dei por ele.
Sempre enfiada nestas quatro paredes, que me deixam à beira da demência.
Vou fazer serão e feriadão.

Tenho uma vida muito estupida.

sábado, 25 de setembro de 2010

Pausa na saga dos recursos

Atiro-me aos contratos-promessa.
Já só falta quase tudo.
Depois vou-me embora.

De tanto trabalhar ao fim de semana

Qualquer dia fico:

1. doida
2. divorciada
3. sem ser mãe
4. rica

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

E aqui chegados

A perspectiva de mais um fim de semana enfiada no escritório está a

1. deprimir-me
2. enfurecer-me
3. comprometer todo o trabalho que tenho pela frente, no dia de hoje
4. engordar-me
(sim, que eu engordo com os nervos)

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Julia

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Deve ser, deve

Colega Alfacinha para mim, hoje ao telefone: "Ah e tal e depois estive a atender um ucraniano. Não entendia nada do que ele dizia, tinha uma pronuncia pior que a tua."

como sabes que és um zé ninguém da blogoesfera:

porque ninguém que anda nas mesmas andanças que tu, vem aqui plantar, em cinco segundos, carradas de jurisprudencia para te ajudar na empreitada, muito menos se põem ao teu dispor para ajudar no que for preciso.
pff.

então é assim:

Já não chegava a encanitação com as nulidades processuais que só agora vou arguir, por causa das novas regras dos recursos, as transcrição de depoimentos sem fim, a impugnação da matéria de facto, que nunca mais acaba.


Agora estou parada, de página do Word em branco, por causa das considerações de direito.
Eu digo que é uma empreitada, a Sentença diz que é um contrato misto na modalidade de contratos combinados, uma vez que assume características próprias de dois contratos: o contrato de compra e venda e o contrato de prestação de serviços.

O prazo termina hoje, ás 24.00h.

eu nem sou de meter aqui musiquinhas e bonequinhos, mas gosto taaaanto disto

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Cofibraique, let´s smoke.

Agora vou comer um pão com fiambre.
Agora vou beber uma meia de leite.
Agora vou fazer de conta que isto é lanche.
Agora vou enganar o estomago, que não almoçou e que vai tardar a jantar.
Depois vou fumar um cigarro descansadinha.
E depois entro outra vez no mundo fabuloso da jurisprudência, dos depoimentos e do há sempre dois lados, mas eu é que tenho razão.


E é isto.

Colegas:

Se alguém estiver interessado em fazer pesquisas para mim, esteja à vontade!
Não se acanhem!
Eu não me importo que retirem das minhas costas essa responsabilidade.
A sério.

Fornication

Desde que nasceu este maravilhoso spot no blogger, cheio de conteudo e prosas do arco da velha, que os dias de maior postamento, são aqueles em que estou fornicated de trabalho escrito.

Pois então, hoje, amanhã, domingo e toda a próxima semana, vai ser aqui posts que nunca mais acaba.

Um recuso de Apelação com vista à reapreciação da matéria de facto e de direito,
Um recurso da matéria de de facto e de direito, duma sentença dum Tribunal de Trabalho, cujos Cd´s das sessões de audiência eu ainda nem sequer tenho,
Um Recurso da matéria de facto e de direito, duma Sentença Penal,
Uma Contestação a uma acção no valor de meio milhão de euros,
Uma Réplica.

Então até já, sim?

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Quero ir ver os U2

Não tenho bilhetes.
Preciso de dois.
Como hei-de eu conseguir essas raridades, sem ter de me desfazer de todo o meu património imobiliário e parque automóvel também?

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Ready, set, go (ou lá o que é)

Os meus anos começam no mês de Setembro.
Para mim, de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro é só uma noite em que é obrigatório beber copos.
Eu sou rapariga com filho em idade escolar e pratico isolada e societariamente uma actividade que anda mais ou menos a par do calendário escolar, daí que o meu ano comece em Setembro.
Tudo novo. Agenda jurídica nova, moleskines novos (os cadernos mesmo, aqueles que vêm três duma vez), lapiseiras novas, recargas para a caneta novas, tudo novo.
E aproveito a depressão do verão a ir embora para criar um monte de listas mentais de cenas que quero e tenho mesmo de fazer.
Uma delas é ter uma criada interna, ai desculpem, uma trabalhadora de serviços domésticos que fique alojada na habitação da empregadora.
Ontem fui jantar a casa duma amiga minha que emprega uma pessoa dessas e foi um luxo.
Cheguei a propor mandar para lá carne e peixe todas as semanas e íamos lá jantar todos os dias. Ela riu-se muito, mas acho que não levou a sério e eu estava mesmo a falar a sério.
Bom, mas para além da trabalhadora de serviços domésticos já decidi que... tchan, tchan, tchan: Vou para um ginásio! Tcharan!
Ok, se as minhas amigas mais chegadas lerem isto mandam-se para o meio do chão com ataques convulsivos de riso.
E eu ralada!
Só não sei como vou fazer para acomodar e alojar a trabalhadora dos serviços domésticos e como é que vou aguentar o cheiro, a musica, o suor e as gajas que se passeiam nuas da cintura para cima dentro do balneário, do ginásio.
De resto, está tudo decidido.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O que eu gosto, o que não gosto e essas coisas todas

Então, dizem por aí que "se não gostas põe mas é na beirinha do prato e não comas".
E eu fico a pensar (actividade que me cansa, mas que de vez em quando lá tem de ser) e digo: Essa é boa! Ora se não gosto não como, se não gosto não leio, se não gosto não vejo, era uma fartura!
E depois? Falava de quê? Dizia mal de quem? Criticava que sapatos? Vomitava que comida? Embandeirava em arco com que argumentos?
Que aborrecimento, senhores!
Eu vejo filmes de terceira para depois me lamentar que perdi uma hora e meia da minha vida, tempo que ninguém me devolve e que podia ter sido empregue a fazer coisas muito fixes. E mais, até sei de antemão, que o filme vai ser de terceira e se estiver para aí virada vejo, só para me poder lamentar e dizer Aiiii que filme nojento.
Eu como sushi, bem sabendo que me vai saber SÓ a peixe cru, para depois ir para casa enfardar batatas fritas de pacote e dizer mal da minha vida, que paguei os olhos da cara por peixe mal amanhado e sem ser cozinhado.
Leio livros do Saramago (paz à sua alma), bem sabendo que não lhe aprecio a escrita, muito menos a retórica, só para poder ter uma opinião, que não seja, Ah, ele não usa pontos finais.
E para além disso, leio Blogs que nunca me cairam no goto, alguns até estão na minha lista de leituras diárias, porque sim. Porque mesmo não gostando, vou lá alimentar a gula de discordância e até de voyerismo, ou então não vou, mas isso decido eu.
Eu é que decido.
E tenho a minha opinião, que é minha e que se não me deixarem tê-la eu vou desatar a berrar que nasci filha da revolução e que é um atentado à liberdade individual e quem sabe até, ao Estado de Direito.
E quê? Não posso?
Essa é que era mesmo muito boa!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Casa Pia

E eu que estou, deontologicamente, proibida de opinar acerca disto tudo?!
(até me formigam os dedos, caramba)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Coiso

Eu não sei se é de mim e deste sistema nervoso destrambelhado que mora dentro da minha pessoa, mas há qualquer coisa que me impede de ter um dia bonzinho, quando logo de manhã, as coisas começam a correr de maneira merdosa.
Eu sei que há pessoas, principalmente nos filmes e nas telenovelas que acordam sorridentes e a espreguiçar-se todas contentes, com o sol a bater-lhes nas trombas.
Eu não gosto. Nem é não gosto, odeio.
Tudo tem o seu tempo e acordar de manhã, não é significado de luz intensa pela cara fora.
É que a brincar a brincar condiciona-me o resto do dia todo, porque como eu estava a dizer, se o dia não começa levezinho e principalmente manso, diz-me a experiência de 35 anos comigo mesma, que o que vem a seguir só tem tendência para piorar.
Nunca melhora. É uma merda.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A Fátima Lopes fica nervosa com o 1º dia de aulas da filha?

Fica sim senhor.
Ou então é uma mentirosa, porque eu bem a vi, num intervalo da SIC, ela a dizer que sim senhor que fica nervosa, que pois está claro, que é a filha dela e tal e tal.

Mas depois vai ao Modelo e gasta uma pipa de massa em cadernos da Barbie e mais merdas cor de rosa, que lá por serem cor de rosa, não deixam de ser uma merda e fica muito mais aliviada.

Por isso Joaninha, minha adorada das estrelinhas, estás aí toda agoniada porquê?

Eu sei que não podes ir ao Modelo comprar merdas cor de rosa como a Fátima Lopes, mas caraças, vai lá comprar um caderninho do Action Man ou uma cena dessas e vais ver que o primeiro dia de aulas do nosso JP vai ser uma beleza.

Isso ou shots de bagaço no café mais próximo da escola primária, minha amiga.

Eu sei do que falo.

Ui ca noijo

Parece que agora é de lei e o pão não tem sal, ou tem pouco, não é?

Pois, eu disso não sei, que estou a fazer uma dieta rigorosa que me impede de comer iscas de fígado, coelho estufado, farinha de pau, lampreia e infelizmente, pão.

Mas de qualquer forma parece-me mal. Muito mal.

No pão, como nas pessoas.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Nada bom

Acordei com uma dor de cabeça tão grande, que nem vejo nada à minha frente.
Tenho trabalho atrasado até vir o peixeiro e não sei para que lado me vire.
A Drª Estagiária licenciou-se em Advogada, já não faz trabalho escravo.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Não gosto nada

Por favor, dêm-me um tiro nos cornos, matem-me com estriquinina que eu até aguento a morte lenta, mas nunca mais me deixem assistir a um programa da Mafalda Pinto Leite.
Temperem essa rapariga. Ela precisa de tudo.
Que nervos.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

E mais

Vou ser extremamente feliz com a minha cara metade, os meus filhos e a minha cadela também.
Que eles, desgraçados, não têm culpa nenhuma.
E agora xau que tenho cabeleireiro, manicure e jet bronze marcado.

Entretanto

Já apanhei os cacos todos, colei-os com bostik e até ficou bonito.
Nota-se uma rachadela aqui e ali, mas eu virei-o ao contrário e assim de repente, parece novo.
Bem sei que quem o partiu queria que ele ficasse no chão, todo esmigalhado e que toda a gente visse.
Temos pena. Faço desde já um magnifico dedo do meio e informo que hoje, volto à minha forma primária.

É que eu bem sei como a coisa funciona

Eu sei, porque já parti muita jarra de cristal e algumas de biscuit e com engenho e muita arte, lá montava aquela merda toda outra vez e fazia duas novenas à Santa Rita, a pedir que ninguém descobrisse. Lá punha a jarra no sitio, muito direitinha e, com sorte, ficava ali, aparentemente intacta até ao dia em que alguém se lembrava de pegar naquela merda para limpar ou mudar de sitio e aí... desmontava-se tudo e "ai quem partiu a jarra de bisquit" "ai quem fez isto" "quem foi, quem foi?" e ninguém se acusava. Tudo moita carrasco, ala que se faz tarde, tudo a assobiar para cima, "eu não fui" "quem eeeeuuuu? não fui eu".
Assim é o meu coração.
Tem uma capacidade invulgar de se aguentar partido.
Até ao dia em que alguém se lembra de lhe mexer, ou então até ao dia em que alguém lhe espeta um pontapé e o desfaz em mil pedaços.
E aí, eu choro que nem uma perdida.
Eu sei, eu sei, ele já estava partido, mas caralho, estava a aguentar-se tão bem, era preciso isto agora?
E depois fica tudo a assobiar para o alto, "não fui eu, não fui eu"
Mais valia eu ter dito, logo na altura, que o cabrão do coração se tinha partido, que estava em mil pedaços e que eu sabia bem quem tinha sido.

domingo, 22 de agosto de 2010

Se calhar até me tinha feito muito bem, mas não me apeteceu.

Vejo agora que não escrevo aqui desde dia 4.
Não me apeteceu.
Não estive sempre de férias.
Mas não me apeteceu.
Não estive no Burundi. Estive sempre com internet por perto.
Mas não me apeteceu.
Para dizer a verdade foram uns dias bem merdosos estes, desde dia 4.
Não falei com as minhas amigas, nem com ninguém.
Não fui ao facebook, não postei fotos de férias com caras sorridentes, miúdos felizes a brincar na areia, nem nada dessa merda toda.
Não me apeteceu.
Porque foram uns dias bem merdosos, estes.
Não foram só os dias.
Os meses também.
Dias e meses muito merdosos.
Mesmo.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Estou de férias.

Provavelmente o estaminé estará mais dias encerrado que a bombar.
Mas sempre que me apeteça e que a minha filha mais nova me deixe e o meu filho mais velho não esteja a jogar não sei o quê on line ou o meu marido não esteja a aprovar time-sheets, eu venho cá escrever coisas muito interessantes, combinado?

Love,
Rachel

sexta-feira, 30 de julho de 2010

She's so sexy back!

Lembram-se da Roda da Sorte, do Herman?
Quando a plateia cantava "atéquimfim, aparecem gajas boas!"

O vento mudou e ela lá voltou.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Tem piada, sim senhor

O meu mais velho (que bonita expressão) é um exímio comediante.

Daqueles que diz a piada e não se ri, fica ali a olhar para nós com o maior ar balsê.

Ontem eu ía fazendo xixi pelas pernas abaixo com as anedotas que ele contou. Não tanto pela piada, em si, mas pela piada que ele tem a contar.

Vou tentar recriar:

Filho, sentado à mesa, com um braço esticado em cima da mesa, o outro em cima duma perna, cabeça levemente inclinada para a esquerda e para baixo, desvia o olhar para mim e com sorriso quase imperceptível pergunta: Mãe, um bebe que nasça sem uma mão o que é?

Rachel continua a almoçar e responde: não sei, diz lá

Filho olhando para baixo, enquanto coça uma perna e com o ar mais desinteressado do mundo: É maneta, mãe.

E um bebé que nasça sem uma perna?

Rachel: É perneta.

Filho, levantando, novamente, muito lentamente os olhos e fixando o olhar na mãe: E um bebe que nasça sem pilinha?

Rachel: Não sei.

Filho, desviando novamente o olhar para baixo em movimento slow motion, tom de voz pausado e quase sussurrado: Então?! ... é menina.

Isto é inquietante

Estes são os artigos a que a minha filha atribui maior valor e sem os quais não vai para lado nenhum.
(Nota: os artigos dentro da mala, foram lá postos por ela.)
Semelhanças entre isto e a minha realidade? Então não se está mesmo a ver?
Uma filha;
Uma mala com:
Telemovel
Comida para a filha
Chupeta (que no meu caso serão os cigarros)



Ora vamos lá saber, mulherada boa,

O tempo não estica, eu continuo afogada em processos, folhas, mails e contas para pagar e em não tendo passado tempo de qualidade nas lojas e centros comerciais, estou a leste do paraíso chamado praia.

A 5 dias de me ir estender num areal do sul de Portugal, tenho várias questões para vos colocar.

1 - O que vestir para ir para a praia bem gira.
(Não vale virem dizer calções curtos, porque as minhas pernas não permitem esse particular, nem tunicas dos indianos que eu não estou para aí virada e também escusam de sugerir t-shirts do rato mickey, que eu não aprecio bonecada)

2 - Com que produtos untar o cabelo, para não me assemelhar em menos que nada a uma pessoa que acabou de ser submetida a choques eléctricos.

3 - Dada a minha tez alva e considerando as alergias do demónio, quando exposta à mistura sol/água salgada, qual a vossa opinião quanto a cremes e outros unguentos solares?

Um, dois, três:
Toca a sugerir como se amanhã não houvesse sugestões!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sitio que até tenho que escrever para não me esquecer de nunca mais lá passar nem perto:

"Vitaminas"


Rachel: Uma salada de frutas com gelatina.

Coiro: São 2.10 euros.

Rachel pensa: Foda-se!

Rachel paga e não bufa e diz: Pode por favor dar-me talheres?

Coiro indignado: Já tem aí uma colher.

Rachel surpreendida: sim, sim, mas digo, garfo e faca.

Coiro indignado e sem paciência: Vai levar uma salada de fruta com gelatina ( e aqui arrebita as sobrancelhas, como quem diz, dah)

Rachel já de focinho torcido e voz mais elevada: Mas eu preciso de talheres.

Coiro indignado insiste: Mas é uma sa-la-da de fru-tas, minha se-nho-ra.

Rachel já mais para lá do que para cá: O que é que a se-nho-ra não entendeu? Quero uma faca e um garfo, para cortar os pedaços de fruta, porque se os der assim à minha filha de um ano, ela vai morrer entalada, ÓKEI?

Coiro: Ó Nánda, dá uma faca e um garfo a essa... (silêncio)... se-nho-ra.

Rachel entre dentes: E se fosses mas é para o caralho?

17 anos, concluiu o 12º ano e quer ir para a faculdade

Hoje entregou-me um documento manuscrito, com 5 singelas linhitas, caligrafia infantil e as seguintes expressões:


"ocopante"
"assidente"
"vaiculo"
"recordome"
"faxa"
"derrepente"

Ora vamos mas é pôr isto como deve ser.

De seguida, posts como antigamente.
Sem viroses.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

E ao 5º dia...

... A FEBRE DESAPARECEU!

(estamos safos de mais esta encanitação. estamos safos.)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Restos


Andei a limpar o frigorifico.

Era só restos da festa de anos da miuda.


Agora é uma desolação.


Até faz eco.

Cadê?

Onde está o telemóvel, Luisinha?
(ri-se, encolhe os ombros e diz que não com a cabeça)

Luisinha, o telemovel da mãe?
(mais risos e não com a cabeça)

Ligo para o dito, mas o cabrão está em silêncio.
Eu bem o ouço tremer.

Ela continua a rir-se.

Estava debaixo do sofá, onde ela tinha enfiado duas chupetas, o comando do DVD e um livro.



Agora para ver se refresco a mona,

Este post é dirigindo aos autóctones de terras algarvias, em especial.
E porquê?
Já vão entender.
Pois bem, desde que temos a minha filha do meio, a cadela, que estamos impedidos de passar mais do que meio dia no apartamento de Vila Moura.
É proibido cães, lá.
E já conseguimos perceber que ela se adapta lindamente e em menos de nada está como se estivesse em casa, a ladrar aos vizinhos do lado, quando metem a chave na porta, portanto.
Mas eu gosto do Algarve.
E temos sempre escolhido sítios no meio da serra para poder levar o chien, que também é filha de Deus.
Só que este ano, também vai a filha mais nova e o sitio onde costumávamos ficar, lá para os lados da Serra do Caldeirão, não pode ser porque os quartos não têm frigorífico.
Vai daí, resolvemos aceitar a sugestão duma amiga minha e vamos para um sitio muito lindo, ali entre Silves e Portimão. Não posso dizer o nome, porque senão tinham todos de morrer e isso era capaz de ser um aborrecimento, para mim que tinha que vos matar um a um e para vocês, que quinavam.
Mas adiante.
Deste modo, como nunca fui para esses lados dos Algarves não sei muito bem que praia frequentar e onde comer.
E é aqui que entram os meus queridos leitores algarvios!
É que com a bebé, não temos grande margem de manobra para andar a experimentar e à descoberta.
Sugestões para sítios de acesso relativamente fácil a uma praia bem boa e sitios nices para comerzinho, que a malta gosta de comer bem e a praia puxa pelo corpo da gente!
Fico à espera.
Antecipadamente já muito agradecida,
Truly Your's.

E continua doente

É a sério e eu já me estou a passar.
Ontem 39,9º à noite, reagiu bem à medicação, passou a noite impecável e de manhã lá estava a puta da febre outra vez a dar cabo da minha menina.
39,5º.
Tomou o leite, frio.
Vomitou tudo de seguida.
Mas é aqui que acontece o insólito, no vómito estavam umas secreções castanhas escuras que pareciam sangue, ou então chocolate. Sendo que ela não comeu chocolate.
Comeu sopa ontem, que é verde...
Eu só não choro porque se o meu marido me vê a chorar bem que lhe dá o fanico.
Alguém tem que manter a aparência de que vai correr tudo bem, mas começo a ter vontade de largar a chorar agarrada a ela.
Liguei logo para o médico e o instinto é pegar nela e enfia-la novamente nas urgências.
Diz o Sr. Dr. que não e desvalorizou aquilo do vomitado.
Mas avisou que caso apareça algum sintoma para além da febre é levá-la imediatamente e quase se despediu com um até amanhã.
Porque caso amanhã ela ainda tenha febre de manhã, tenho que levá-la e o mais certo é ficar internada.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Ela ainda não está melhor

De manhã, pimba, 39,9º.
Urgências pediatricas da CUF.
Tirando os picos de febre, ela está optima.
Fizeram analises e tal, mas diz que, cumprindo procedimentos normais da pediatria, só partem para exames mais dolorosos ou traumaticos, a partir do 4º/5º dia.
Ok.
5º dia é sexta feira.
Alguém aí conhece alguem que benza uma casa em condições?
Andava algo precisada.

Agora a sério

A minha filha não está nada melhor.
Fui com ela ao pediatra de tarde, mas vim de lá com a mesma cantilena que já me tinha pregado ao telefone. Benuron, Brufen e Brufen, Benuron.
Só que ela já está assim desde Domimgo e faz sempre picos de febre de 39 para cima. Ontem foi 40,5, hoje 40,2 e eu ando para aqui, a zanzar pela casa fora, a escrever posts nos intervalos dos benurons e dos brufenes, porque se me deito tenho medo de já não conseguir acordar...
Eu quis levá-la ás urgências, mas das próprias urgências, desaconselharam-me a ída.
Ah e tal que já é muito tarde e que se a febre não baixar em uma hora então traga a miúda...
Fôda-se são as horas mais compridas da minha vida.
Do meu filho não foi nada disto.
Não tinha noção do que é um bebe completamente prostrado, de toalha fria na cabeça, sem tugir, nem mugir.
Muito mau.
Tadinha.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Isso, ou dar-lhes com um gato morto até ele miar

Já perdi a conta aos processos de difamação e injuria que já propus.
Já perdi a conta ás vezes que subi as escadas do tribunal para defender ou para estraçalhar mentirosos, caluniadores e pessoas que levam a vida a difamar as outras.
Como dizia a minha avó, pimenta no cú dos outros para mim é refresco e até me acontecer a mim, nunca tinha realmente calçado os sapatos de quem se vê a braços com semelhante situação.
O instinto eu sei qual é: atacar ferozmente até me pedirem desculpas de joelhos.

E a fonte que era tão mais linda!

Pois é, já cá está no escritório o garrafão da água virado de cangalhas.
Para compensar trouxeram também a máquina do café.

E eu já mamei uns 5.
Só hoje.

Eu gostava de saber

Quem foi o cabrão que se lembrou de inventar a necessidade de dormir, hán?
Só pode ter sido um gajo.
Preguiçosos, pá.

domingo, 18 de julho de 2010

Eu até pensava que já nem ía acontecer

E pronto, já começo a habituar-me a esta cadência quinzenal de febrões da minha filha.
Foi para a cama com 39º de febre.
Já acordou umas dez vezes.
Ainda bem que dormi de tarde, porque a ver pelas outras vezes deve faltar cerca de meia hora, mais coisa, menos coisa, para acordar a delirar, aos gritos e só volta a adormecer lá para as 6 da manhã.
E ainda por cima não está cá o meu filho, que é quem costuma acalmar a fera.
Então durmam bem, sim?

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sabem onde vou eu agora?

Pois é, meu grandes queridos, esta que aqui escreve está de saída.
Só estou à espera que chegue o senhor que casou comigo, a miuda está entregue aos cuidados de terceiros, o miudo entregue aos cuidados de quartos e lá vamos nós, sem carrinhos de bebe, sem nada.
Ao Continente do Norteshopping.

Aviso à navegação:

Não se deixem enganar com os tons de rosa deste blogue nos ultimos posts.
Pelamordedeus, vocês não venham práqui a pensar que vão encontrar mais fotos corderosinha e receitas da bimby, que ainda apanham uma decepção maior que a que eu apanhei quando me disseram que o Ricky Martin tinha dois filhos e era rabeta.

Estive a festejar estes dias o primeiro aniversário da criatura do sexo feminino mais bonita que Deus ao mundo deitou (porque a criatura do sexo masculino mais bonita do mundo todo, Brasil incluido, eu pari há 14 anos) e vai daí estive numa onda meio Zen.

Mas nunca esquecer que este Blogue é meu e eu não sou nem cor de rosa, muito menos Zen, Ok?

Está tudo avisado.

Luisinha: O primeiro ano completo!


Foi dia 14.

E ela é tão querida, tão querida, que até lhe perdoo ainda não dizer mamã.







domingo, 11 de julho de 2010

Domingo

Ontem fez anos uma das minhas melhores amigas.
Hoje fomos todos almoçar ao Guariany, criançada incluída.
Estava tudo muito bom, duas das minhas amigas e eu de vestido comprido. O meu, da Cop Copine, a arrastar pelo chão tipo noiva era o mais giro. Uma das minhas amigas esteve quase a ser linchada, pois que em sendo ligeiramente mais nova (só 10 anos) que as outras todas, ainda teve o desplante de aparecer morena, de calções curtos, túnica branca, e chapéu à Justin Timbarlake em cima daquele cabelão loiro todo aos caracóis. Os miúdos não partiram nada de elevado valor. Os parabéns foram acompanhados ao piano, pelo irmão da aniversariante e tudo isto para chegar aqui e dizer que a minha filha provou hoje o sabor do chocolate.
E parecia drogada, aos berros de mãos abertas a pedir mais (dá, dá dá) e não lhe tendo sido feita a vontade, desatou aos pontapés ao carrinho e a dar chapadas na própria cara.
Eu, no meio daquela confusão, ainda tentei parar com a loucura, mas levei um apertão na mão com toda a força e tenho para mim, que se pudesse ela tinha-me batido.
Nunca mais come chocolate. Isso é uma certeza.

sábado, 10 de julho de 2010

Lembro-me muito bem.

Há um ano atrás, o dia 14 estava mesmo a chegar.
Eu não sabia que era dia 14, aliás, até estava marcado para dia 16, mas calhou ser 14.
E calhou bem. Mas a minha filha apesar de ser portuguesinha, nasceu no dia da tomada da Bastilha e eu estou em crer, pelo andar da carruagem, que todo esse circunstancialismo tem tido os seus reflexos nessa meia leca, nessa pulaga eléctrica, nesse fefecos mais lindo, que hoje disse:
Áua.
Assim: Áua, explicadinho.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Luisinha's Party - Parte I

Convites, cartões e tsurus.
Um luxo, só vos digo!
Tudo, made by Iso. Claro!



O convite mais de perto.

Ora tomem lá, com a privacidade da aniversariante devidamente assegurada.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Não se enganem, só há dois tipos de homem:

Os que dizem, despudoradamente, que são as mulheres que mandam lá em casa.
E os que mentem.

PS - To Pipoco, with best regards!

terça-feira, 6 de julho de 2010

É contra a minha vontade. Lamento. Mas desisto.

Eu que tinha tão boa vontade de limpar o meu organismo das toxinas e de outros bichos feios e ficar aí com uma pele que até parecia uma pêssega, não vou conseguir manter a demanda dos dois litros de água por dia.
Passo metade do dia a correr para fazer xixi e quando não corro para fazer xixi e tento contrariar a vontade dão-se situações deveras embaraçosas, que me vou escusar de aqui relatar.
Para além de que, ou me concentro no trabalho ou me concentro em controlar a vontade de fazer xixi, nas duas coisas ao mesmo tempo não consigo.
Não tenho capacidade.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Momento bonito do dia.

E quando recebes uma carta, enviada por uma colega de profissão, em que a folha ela própria é côr de rosa e as letras em lilás? O que pensas?
Eu pensei: Só faltava ter cheirinho.

E eu, a ver isto, deu-me umas saudades...

Trouxe no meu automóvel 4 belos espécimes do sexo masculino, a rebentar de hormonas adolescentes por todos os lados. O meu filho e mais três amigos, vieram passar uns dias ao campo.

Devo dizer, em abono da verdade, que são todos surpreendentemente educados, mas ainda não tínhamos saído do Porto e já estavam todos histéricos, com aquela voz a mudar de pito para galo, o sotaque fozeiro (quem é do Norte e especialmente do Porto entende o que isto quer dizer), repetiam a palavra "tipo" até ao limite do imaginável, falavam em Inglês entre eles, à vez papagueavam as deixas da Annoying Orange (hei apple! hei apple!), atabalhoavam-se todos, uns por cima dos outros a repetir até à exaustão as proezas do Remi Gaillard, discutiram uns com os outros umas cem vezes, não se entendiam quanto ao filme de terror a ver à noite e de gajas só falaram baixinho: "Hei, Gonçalo, da outra vez eu não vi gajas" "Pois não, era Inverno!" "Ah! Quê, elas são, tipo, os ursos?" (ahahahhahaha gargalhada geral da adolescência).
E lá chegamos, saíram todos do carro aos trambolhões e em menos de nada, 32º ás 10 da manhã e os adolescentes todos na piscina, a fazer uma barulheira infernal. Normal.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Amor de irmão, a tatuagem invisivel.

Por força da primeira dentição, a bebe esteve novamente doente.
39,5 de febre com direito a delírios nocturnos.
Na tarde em que a febre se instalou, estavamos nós na Nespresso a comprar café.
O mais velho na SportZone.
A bebe começa a chorar. E eu: ui, que é isto? ela nunca chora. hei, Luisinha, estamos no shopping.
O choro subiu de tom. Muito.
Tirei-a do carrinho, passou do choro ao berro.
O Pai pegou nela, passou do berro ao guincho.
E heis que apareceu o irmão.
Atirou-se para o colo dele, com o ar mais cachorro perdido do mundo, os olhinhos já todos vidrados, agarrou-se tipo lapa ao pescoço e deitou a cabeça no ombro.
Parou de chorar.
Diz-me ele: eu sei que ela está assim por estar doente, mas era disto que eu falava quando dizia que queria uma irmã. são tão queridas!

Ah!

E eu que mesmo que soubesse que Portugal jogava hoje, me estava a marimbar nisso?

Ah!

E eu que não sabia que Portugal jogava hoje?!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Ora bem,

Só para dizer que passei uma das maiores vergonhas da minha vida.
A meio de uma consulta, a senhora com cerca de 70 anos, que está em litigância profunda com a irmã, por causa dumas partilhas diz-me:

Ó Drª ela é um tubarão, até o bacamarte a danada consegui abocanhar.

E eu desmanchei-me toda a rir.
Até me escorriam lágrimas pela cara abaixo, meus amigos. Lágrimas, ouviram bem? Lágrimas.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Foi no dia 23, mas eu não tive tempo de cá passar com calma

Aos 23 de Junho do ano da graça de 1975, pelas 23h.30m, nasceu na Ordem da Lapa, no Porto, um menino que viria a crescer para ser o homem mais sortudo, que Deus no mundo deitou.

Esse menino, o primonégito de uma frataria de dois irmãos, cresceu abençoado pelo S. João Baptista e chorou que se matou até ao dia em que foi batizado, para que não restassem duvidas.

Daí para a frente foi sempre a abrir, amparado pelo amor incondicional de duas pessoas que infelizmente Deus, que ás vezes é muito invejoso, já recolheu para si, mas que enquanto cá estiveram fizeram desse menino um homem integro, honesto e um pater familias, como há muito tempo não se via.

Never the less, ainda andou aí meio perdido no meio dum mulherio manhoso, mas como o bocado está guardado para quem o há-de comer, tumba! em 21 de Julho de 2001, enceta relação amorosa séria, com este sublime espécime do sexo feminino, que sou eu.

O relacionamento sério é abençoado Catolicamente no dia 31 de Julho de 2004. Dia 31 esse, que não foi escolhido ao acaso, porque a seguir entrava agosto... e a noiva era a gaja mais gira da festa.

Isto posto, resta-me dizer que entretanto o menino cujo nascimento se celebrou no dia 23 do mês que corre, é o meu marido, que somos uma familia de 4 e mais um cão e queria aproveitar a oportunidade para dizer que o menino devia levantar aos mãozinhas para o céu todos os dias, porque apesar de meio caótico, aquilo lá em casa é um verdadeiro espectáculo.

E isto posto, resta mostrar o que o menino recebeu como presente da familia (nós os três e mais a cadela), no dia em que completou 35 muito lindas primaveras.

É que a familia do menino só podia ser representada desta forma...
ilustrada!

A Ilustração, que foi devidamente encaixilhada é da autoria da Iso (abrir o link se fazem o obséquio). Um poço de talento.



quarta-feira, 23 de junho de 2010

As plantas e eu, eu e as plantas: toda uma problemática.

Em tempos idos, a minha mãe não descansou enquanto não enfiou em minha casa, mesmo antes de eu para lá ir morar, plantas.
Umas grandes, outras mais pequenas e uma palmeira que mais parecia sei lá o quê.
Eu avisei logo, olha que vai morrer tudo. Porque o que lá se dá muito bem são as artificias, essas são uma beleza, dão-se mesmo muito bem com a casa e principalmente comigo.
A minha mãe pensou que eu estava a brincar e mandou-me à merda mentalmente e as plantas lá ficaram.
Não mais de um ano depois, tinham-se finado todas, paz à sua alma, lixo com os troncos.
Não sei se foi por falta de água ou excesso dela, que essa problemática eu nunca entendi, o certo é que morreu tudo.

Credo, rapariga, tu secas tudo à tua volta! disse a minha mãe desconsolada.

Eu tentei explicar que eu tenho muito amor para dar, mas que fico doida com tanta exigência da parte das plantas. É porque umas gostam de luz e pouca água, outras gostam de luz e muita água, outras é escuridão e sede, outras escuridão e água com fartura e outras o caralhomaisvelho, que até me está a dar nervos só de me lembrar.

Deste modo, nunca mais houve plantas vivas lá em casa. Há sim jarras com flores frescas quase todas as semanas, porque tenho clientes muito queridas que me levam ao escritório de tudo um pouco, orquídeas, margaridas e muitas outras que não sei o nome.

E isto para dizer o quê, que cheguei um dia destes ao escritório e deparo com um espectáculo do diabo. Então não é que as folhas da planta que cá tenho começaram a cair?!?!
Pois é, a nuance é que a planta é artificial!
Tirei uma foto, que aqui deixo para recordação e quando mostrei à minha mãe ela arregalou os os olhos, abanou com a cabeça e não disse nada...
Pelos vistos é a mais pura das realidades, eu seco tudo à minha volta. Até plantas que não são verdadeiras, comigo, começam a perder a folhagem...

Isto posto, vou ali ao psicanalista e já venho.
Se não voltar é porque, ou estou internada compulsivamente, ou estou a levar com choques eléctricos.
Bisou!



quinta-feira, 17 de junho de 2010

Deusmalivre

Que isto aqui, ISTO AQUI, é o meu retrato mais fiel!!!!

E queria eu fazer um auto-retrato. Pronto, está feito.

E de modo que,

o post anterior tem várias verdades e várias mentiras.
Do you guess?
(viram, que estou novamente numa nova tendência e escrevo metade em português e metade em estrangeiro?)
(está melhor assim, ou querem de novo o vernáculo venenoso?)

Ou então começo toda uma nova tendência, tipo...

... ah e tal, this is me and my friends, de cara censurada, mas somos todas muito giras, só que nos Blogs não se pode mostrar a cara e era censurar o focinho ou mostrar só as perninhas e aí ficava eu a perder, que sou a única que está de calças e o Blog é meu, e elas mesmo em sendo minhas amigas, não podem brilhar mais que esta estrelinha mais linda do mundo que sou eu e que bem que estamos todas, antes de entrar no barco que nos levou à outra margem, para jantar num restaurante muito bonito, onde alarvamos umas belas entradas e depois umas lulas grelhadas com uma folha de alface que está o verão à porta e pese embora as girls vistam o mesmo que veste a minha filha de 11 meses, tem que se olhar para a linha, até porque o pessoal gosta é de parecer que está de lado, quando efectivamente está de frente, mas isso agora não interessa nada, porque era só para mostrar que tenho vida para além do Blog.

Vai na volta

Ainda tenho que deixar de utilizar o vernáculo, amiúde,
Ainda tenho que deixar de gozar com a minha profissão,
Ou então, ainda tenho que deixar de gozar com a minha profissão e utilizar o vernáculo, simultâneamente,

É que se assim for, mais vale deixar isto duma vez por todas.

A testemunha opinativa

Impunha-se provar oito singelas coisitas:

A actividade a que se dedicam Requerente e Requerido
Que o serviço havia sido solicitado pela Requerida à Requerente
Que o serviço havia sido prestado pela Requerente à Requerida
Que a factura tinha sido emitida na data X e com vencimento na data Y
Que a Requerida havia sido interpelada na pessoa de vários funcionários e na pessoa dos legais representantes, para proceder ao pagamento da factura vencida
Exibir a factura e comprovar que sim senhora, é aquela, daquela data e daquele valor
E por fim, que a mesma não havia sido liquidada, total ou parcialmente, pela Requerida.

A testemunha arrolada pela Requerente devia ter qualquer coisa mais interessante para fazer, tipo ir limar as unhas de gel, ou o caralho, uma vez que se mostrou, durante os cinco minutos em que foi inquirida, deveras impaciente.

À ultima questão que se lhe coloca,

Srª Dª Testemunha, a Requerida liquidou a factura junta aos autos, total ou parcialmente?

Ó Srª Drª, que pergunta tão despropositada... se tivesse liquidado, não estaríamos aqui, não acha?


Está bem, então.
Vá lá à sua vida e não se esqueça de mandar com os cornos num poste, ok?

quarta-feira, 16 de junho de 2010

E, mais uma vez, porque estou eu a postar como uma louca?

Está ceeertoooo! Afinal os meus meninos já conhecem esta que vos escreve, tãoooo bem!!!
Pois que tenho, sim senhor, dois prazos a acabar hoje e não sei por que ponta lhes pegue.
Coisas intelectualmente muito exigentes, como sendo uma resposta a uma contra-ordenação ambiental, por via de águas da máquina de lavar loiça a serem despejadas para as valetas e uma Oposição a uma injunção muito linda, por mor da falta de pagamento de facturas da MEO.
Ora fôda-se.

Os meus nervos não aguentam esta pressão. A sério.

Hoje de manhã, ainda antes de ter tomado café para aliviar a dor nos cornos com que acordei, fui dar com a criança em pé!

Ontem não se mexia, hoje estava nestes preparos...



E já agora,

Também apreciava mesmo muito que a tendência anual para a falta de pagamento de honorários devidos à minha pessoa, a partir do mês de Julho, não se verificasse este ano.

Ora o que eu mais queria,

sim, adivinharam, seu bando de Mayas insuportável... é férias!

Peço desculpa,

... mas começar um julgamento ás 14.30, ouvir uma testemunha e suspender a Audiência ás 15h, porque joga o Portugal, é talvez um pouco rebuscado para a minha mente entender.
Mas se calhar é de mim e das madeixas que voltaram a ser doiradas.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Exmos. Colegas que desmarcaram reuniões, para verem os jogos do mundial:

Vuvuzelas. Uma duzia de vuvuzelas nos vossos ouvidos, por período nunca inferior a 12 horas consecutivas, é o que lhes desejo.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Já chegou!

Já sei que tenho no escritorio da cidade grande a Clutch que encomendei AQUI!! (Abrir mesmo, sff!)
Tomem lá fotografia, gamada do blog da Iso.



(Iso, sorry, tinha que fazer isto, se o pessoal não vir bonecos, não abre os links...)

Para além de artista, esta menina é uma fervurinha, porque encomendei ontem de manhã e hoje à noite lá vai a Clutch dar uma volta comigo.


Hoje adjudiquei nova obra à Iso. Uma ilustração.
Quando receber mostro.

Até lá, ide ver as coisas lindas aqui e aqui e encomendem! Há lá coisas assim, tipo estas, vejam lá...




Máximo de 30 horas de trabalho a favor da comunidade e um pedido de desculpas à Ofendida

A rapariga tem 17 anos. O rapaz tinha 17, há oito dias fez 18. Mas quando gamaram o portatil ao melhor amigo tinham 15.
Tiraram-lhe a chave de casa do cacifo, foram a casa dele na hora do almoço e trouxeram o portatil da mãe, que prontamente venderam por 80 euros.

O rapaz remete-se ao silêncio.
Diz a rapariga que agora já não é tão amiga do amigo.
O amigo encolhe os ombros e não responde. Não responde porque os pais estão presentes e bem sabe que os 80 euros foram dividios por 3...

O rapaz, que entretanto fez 18 anos, vê o processo ser arquivado, por força das leis arcaicas e desconexas que "protegem” os menores e a rapariga vê a Defensora aceitar de bom grado a medida tutelar proposta pelo MP, máximo de 30 horas de trabalho a favor da comunidade e um pedido de desculpas à mãe do amigo.

Diz-lhe a Juiz "percebeu? vai receber uma carta em casa a dizer onde tem de se dirigir para prestar o trabalho a favor da comunidade."
abanou com a cabeça que sim.
"e agora tem de pedir desculpa ali à Dª Coisinha."
"desculpe aí."

E pronto.
Um Desculpe aí e mais umas horas a lavar loiça num lar de idosos.

A rapariga sai de cara amarrada, porque sabe que vai sozinha lavar loiça por causa dos 80 euros, que afinal, foram a dividir por 3.

Eu queria saber, por favor,

quem foi a alma mal acabada que me rogou uma praga das antigas e que me deixou neste estado de prostração, que parece que nunca mais vou conseguir fazer nada em condições.
Alguém me diz, se não se importam?
Agradecida.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Alguém sabe fazer destas cenas?


Queria umas 100, sff.

A todas as Divindades que para aí existirem:

Olá,
O meu nome é Rachel, tenho 35 anos e estou neurótica.
Preciso de ajuda divina para me acompanhar neste calvário, que é criar um filho de 14 anos e uma filha de 10 meses, simultâneamente.
Obrigada.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

E quem esteve de férias ponha o dedo no ar!

O que se passou na vida da autora deste formidável conjunto de pérolas literárias, desde a ultima vez que aqui escreveu?

Quem pensou,
esteve deitada em areias brancas e finas a bronzear-se toda para ficar ainda mais gira, a puta...
sossegue, não foi o caso.

A miúda teve febre, depois teve muita febre, depois teve febre outra vez e depois nasceu-lhe mais um dente.
A miúda melhorou da febre.
A miúda teve tosse, depois teve muita tosse, depois teve tosse outra vez e depois acabou nas urgências pediátricas com mais uma bronquiolite diagnosticada, muitos euros de remédios e noites e noites a dormir aos bocadinhos.

Entretanto, esta que aqui redige coisas sem nexo, teve consciência de que deve estar seguramente a espiar pecados escabrosos e comeu uma merda dum doce que estava estragado.

É bem feita, ninguém manda comer doces, toma lá que é democrático, agora aguenta e não chora.

E vai daí, adoece no dia em que a miúda visita as urgências pediátricas, mas aguenta e não chora, em prol da prole.

Depois de um dia e meio a desidratar severamente e sem comer, esta que aqui redige coisas sem nexo, é admitida nos serviços de urgência, já a passar-se para o outro lado.
Lá esteve, esta que aqui redige coisas sem nexo, de agulha enfiada no bracinho macilento, durante uma tarde inteira, a receber soro acompanhado de algumas drogas que lhe permitissem ir para casa cuidar da miúda doente e preocupar-se com o mais velho, que agora quer ir para a praia sozinho com os amigos.

Depois lá dão alta a esta que aqui escreve coisa sem nexo e esta desgraçada volta para casa, mais morta que viva, onde a esperava a miúda ainda doente, vapores com remédios, antibióticos, mais noites a dormir aos bocadinhos e dieta de cozidos e grelhados.
Hoje, ambas, miúda e pessoa que aqui escreve, estão ligeiramente melhores.
E o mais velho, já vai para a praia sozinho com os amigos.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Eu também tenho sapatos e as passadeiras são dos peões!

Pois é.
Deve estar tudo de boca aberta e a pensar, como? também tu tens sapatos? meus Deus este mundo está perdido!!!

Mas é um facto. Também eu tenho sapatos e até vou aqui colocar uma foto do sapato que me fez escrever este post. Devo advertir que é um sapato pobrezito, de uma loja normalzinha e com muita pena minha, não custou os olhos da cara, porque se tivesse custado era sinal que eu andava montada na grana e podia investir o meu dinheirinho em objectos que têm por função primeira proteger os pés de vidros, pedras e outras coisas que podem magoar, mas que tem como função derradeira, embelezar o dito e ostracizar o mulherio que não pode ser a próxima Imelda Marcos.

Posto isto e continuando para bingo, só cá deixo este post para me lembrar para todo o sempre e por favor se virem que me estou a esquecer atirem-me com um pedregulho para eu me recordar, que enquanto a miuda for transportada ao meu colo, é de rasos que tenho que rodar.

Eu sei que há um ano atrás calçava as havaianas do meu marido e que muito prazer me dá regressar ás alturas, mas hoje vi a minha vida a andar para trás, ou melhor, a andar para baixo, em direcção ao asfalto... quando tentei atravessar a passadeira duma rua empedrada, com a miuda ao colo e a passo rápido, porque o amável condutor que estava parado para eu passar, estava impaciente, o fofo.

Quanto ao amável condutor, o que lhe desejo grande querido, é que seja amavelmente sodomizado por um negão faminto,
Quanto aos sapatos, prágrandeputaqueospariu, vão mas é já para o fundo do armário, estes cabrões.





segunda-feira, 31 de maio de 2010

Amor é...

Como é que sabemos que as amigas se conhecem de trás para a frente e da frente para diante?
Pois no Sábado, na visita à minha amiga (de sempre) Joana, que foi operada e está toda empanzinda, diz ela para a minha filha:
"A tua mãe tem ali uma coisa que nem imagina. É uma coisa que ela adora., vamos ver se ela adivinha o que é!"
(Agora é ver como em três ou quatro perguntas se descobre:)
Eu: É de comer?
Ela: É. E já não comes há muito tempo.
Eu: Ui, estás louca? Não vou conseguir, mas... espera lá... é doce?
Ela: Sim.
Eu: É todo branco?
Ela: Sim.
Eu: Já está! Suspiros da "Palmeira"!!!!
(Pimba, palmada em jeito de gimifive mámen!)
E cest çá!
A minha amiga lembrou-se que eu não comia suspiros da "Palmeira" (confeitaria em Coimbra) vai para mais de 14 anos e mesmo morando ela em Aveiro, lá estavam eles para o nosso lanche! Não é bestial?
E eu, em 3 penadas, adivinhei.
É o amorrrr, meus amigos, isto é que é o amor!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Dr S. C., esse sexagenário maluco

O Dr S.C. é um Advogado da velha guarda. Tem perto de 70 anos e advoga só porque lhe apetece. É amigo do meu pai desde o tempo do Colégio das Caldinhas e é o personagem mais hilariante que eu conheço.
Tem aquela postura de quem já não precisa desta merda para nada, que anda aqui nos intervalos das vindimas e dos engarrafamentos, do vinho lá da quinta dele.

Ontem diz que ligou para o escritório para me dar um recado e falou com o meu pai e vai daí, lembrei-me de aqui deixar algumas peripécias deste Advogado do arco da velha...

#1
Ó Artur, diz aí à tua filha que não me apetece fazer o julgamento de quarta feira, pá.
Ó S. C., ele não está cá hoje, liga-lhe para o outro escritório para combinarem.
Está bem Arturinho, olha, porta-te mal, se puderes!

#2
Trim...
Estou sim, sociedade de Advogados.
Estou, queria falar com a Drª Rachel, diga-lhe que é S.C.
Trim, Trim.
Sôtora, está ao telefone um senhor que diz ser S.C., pode atender.
Claro, Dª funcionária, passe, é um colega.
(musiquinha)
Estou, Dr. S.C., a que devo o prazer?
Ó Rachelzinha, filha, eu não posso ir fazer o julgamento de quarta feira, estou aqui em Barcelona.
Ó Sôtor, mas aqui no visor do telefone aparece um 255xxxxxx.
É pá, é formidável! Como é que aqui em Espanha eles sabem que esse é o meu número?

#3
Noutra vez, no átrio dum Tribunal,vários Advogados presentes para um julgamento, discutia-se ainda se havia ou não acordo. O Dr. S.C. olhava pela janela com ar enfadado.
Ás tantas, aquilo já estava a demorar mais do que lhe apetecia esperar e um dos Advogados, que era de Lisboa, dificultava particularmente a negociação.
Ás tantas vem o Dr S.C. e diz:
Está ali um gajo de Lisboa armado em burro, atiro-me já para o meio do chão a dizer que me está a dar uma coisa e não há julgamento para ninguém, acaba já a brincadeira, queres ver?

E pronto,
Quando me lembrar de mais conto...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Hoje ao almoço:

(acerca do, pelos vistos muito anunciado, novo filme do Sexo e da Cidade, ou o caraças)

eu - ai há um filme novo disso, é?
ela - quê?!?!?! não sabias??!?!?!?
eu - não. não sabia.
ela - o que andas a fazer da vida, melher?
eu - pois, com essa é que me lixaste...

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Dos dias que são mesmo muito maus

Levantas-te da cama já atrasada e percebes que vai ser uma merda dum dia, que pau que nasce torto tarde ou nunca se endireita.
Até agora foi uma merda.
Temo que daqui para a frente vá ser uma grande merda.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Dos dias que não são maus*

Acordas ás 7 da manhã com a Bebé a chorar, atiras-te da cama para fora aos trambolhões, agarras na miuda e voltas aos trambolhões para a cama onde a deitas virada para ti e de costas para o pai, a rezar uma avé maria, na esperança que ela durma mais meia horita, depois toca o cabrão do despertador e tu nem queres acreditar, mas atiras-te da cama para fora novamente aos trambolhões, encontras o mais velho já a comer os chocapic e a lamentar-se por não ter ído ao concerto dos Metallica e suspiras em direcção ao leite que vais dar à miuda, entretanto já estás pronta para sair quando tomas consciência que afinal está um calor do caraças e tu de sapatos fechados, por isso calças as sandálias novas e ficas logo outra, porque isto de ter coisas novas e não poder usar é do caralho e tu já te estavas a passar, mas nisto rumas ao infantário da criança e sais de lá com o coração partido, porque hoje, como em todos os outros dias, ela ficou a chorar e tentas abstrair a mente, porque tens reunião passado dez minutos e estás verdadeiramente atrasada, já para não dizer a leste do que lá se vai passar e chegas mesmo atrasada à reunião, mas fazes aquele ar de quem já está há horas a resolver problemas do arco da velha e aquela reunião, cujo tema tu desconheces, mas que disso ninguem sabe, é só mais uma, pff, que tédio, vamos então a isso que a minha vida não é isto e lálálá, consegues passar pela reunião como cão por vinha vindimada e deixas boa impressão no cliente e principalmente amedrontas a parte contrária, mas entretanto vês que já estás atrasada para as alegações finais do Ministério Publico, duma coisa que já corre desde Fevereiro e desces apressada para comer qualquer coisita e encontras uma cliente a almoçar na mesa do lado, que quando dás por isso foi embora e deixou-te o almoço pago, (olha que bem!) e rumas ao sitio onde deixaste o carro enfias-te nele e durante a meia hora de auto-estrada que percorres, só pensas que tudo o que seja menos de sete anos de prisão efectiva é uma vitoria estrondosa e quando dás por ela o MP está a pedir uma pena diminuta e ainda por cima, com a execução suspensa, o que profissionalmente é meia vitoria estrondosa e isso é que verdadeiramente interessa e sais de lá, com um sorriso malicioso nos lábios, ignoras tudo quanto é gente que te quer fazer perguntas, porque já estás atrasada para ir buscar a bebe e começar a segunda parte da jornada diária, mas isso eles não precisam de saber, e entras na viatura, a pensar mas é o que vai ser o jantar e que ainda tens uma merda qualquer para fazer e entregar até à meia noite e nem te lembras do que é, mas deixas isso para mais logo que agora tens de voltar ao ponto de partida e acendes um cigarro, ouves a TSF até à porta do Infantário, porque o Senhor PR fez uma comunicação, que não foi muito do teu agrado, mas há que pensar positivo, se podem casar também se podem divorciar e isso é igual a aumento de clientela e lá vais tu, encontras a miúda murchita, corres com ela para casa, fazes um prato muito bom que se chama sobras de ontem sortidas, deitas a bebé, traças as linhas gerais do dia seguinte do mais velho, e voas para o computador, para conseguir enviar até à meia noite uma merda em contra-relógio e lá consegues, ás 11h.58m que aquela grande bodega seja aceite pelo sistema informático e respiras de alivio, atiras-te para o sofá e antes de adormecer toda torta e com a cadela em cima das tuas pernas, pensas que um dia ainda te fodes, mas que ainda não foi hoje.
* Levemente ispirado nisto (risos).

terça-feira, 18 de maio de 2010

Bonito serviço!

Fui convidada para ser mandatária para uma determinada área duma determinada campanha.

E se descobrem este spot do blog?
Desconvidam-me?

A ver vamos.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

(...)

20 minuto depois do telefonema anterior:

- Estou mãe?
- Não. Daqui Floribela.
- Ah, tá bem. Olha...
- Diz lá, rápido.
- Três palavras:
- (suspiro)
- Slash vem cá.

(a mim faz-me um bocado de impressão esta fase das guitarradas. é que eu tambem gosto.)
(isso e vê-lo emocionado com isto.)

(...)

- Estou, mãe?
- Sim.
- Estou deprê.
- Ui, nao digas.
- É.
- Pronto, diz lá, porquê?
- Duas palavras.
- Sim?
- Concerto Metallica.
- Pois, não se pode ter tudo.
- Quêeeee? Olha, xau.

Desligou.

E em relação ao post anterior...

Esqueci-me só de referir que a dança a que me referia, NÃO É DE SALÃO, ok?

Maria Madalena, a arrependida

Tenho uma confissão a fazer.
Eu, não sendo rapariga de ter arrependimentos ou frustrações pegadas a mim, descobri recentemente que afinal tenho um arrependimento e uma frustração.
A minha frustração é não ser bailarina e o meu arrependimento é não ter pegado na mala de cartão e rumado em direcção a uma carreira de sucesso, brilho e luzes, nos palcos deste mundo.
E esta, hein?
PS - Agora que penso nisso, se calhar terei sido demovida pela vontade de dormir em camas quentinhas e esticadinhas pela minha mãe, não apreciar passar fome de rato e saber que da dança vivem poucos, porque não estou a contar com as dançarinas da taberna do infante nem de qualquer outra que dance agarrada a um varão. Não que tenha algo contra, mas tambem não tenho absolutamente nada a favor, é só isso...

Andeuineris:

O/A "Me" e o Kuka.
Pronto, era só isto.
Mas o Quebra leva uma menção honrosa.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Então, péssoau?

Ninguém quer animar a menina?
Adenda: Os resultados, amanhã.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Post com retratos

Ora para vocês verem a minha dicotomia diária, aqui fica um relato fotográfico das últimas oferendas dos meus estimados clientes, de tão agradecidos que são.

Portanto, no escritório da terra pequena temos orquídeas, 3 salpicões, alface e feijão verde do quintal.



Do escritório da cidade grande temos caixa de bombons todos pipi da “La maison du chocolat”




E é isto.

Charada

Hoje, não sei porquê, lembrei-me de como me chamava uma colega de faculdade, quando estava com os copos.

E vai daí lembrei-me que daria um belo Nick para a dona deste espaço tão xuxu, porque bem vistas as coisas, o meu Nick é um Nick pobrezinho, proletário, sem imaginação nenhuma e acima de tudo, óbvio, o que pelos vistos é coisa que não devia ser.

E o outro, o que podia ser um bom Nick, em sendo na mesma óbvio, não é pobrezinho e era duma imaginação do caraças!

Uma vez que é to late para mudar de Nick, lanço um jogo:

Escrevo um post com tema à escolha a quem descobrir o que quer dizer:

Rachel Beauty de Goeswithstamps.

(Venezia, tu não jogas, ok?)

Ainda o Papa

Hoje discutia-se se o Papa passava ou não na rua onde fica o escritório.
Eu: Ui, que very nice!
Eles (em uníssono): Estás louca? Vai ser um pandemónio, mulher. Fica tudo embarrilado.
Eu: E quê? Vocês não estão a compreender! Para além de vos poder cobrar para espreitarem da minha varanda, esta rua vai ficar abençoada! O Papa a passar e é ver as bênçãos a cair, ele é nas francesinhas do Capa Negra, que de tão abençoadas, vão deixar de acumular-se nas minhas coxas, ele é aqui no Ipanema que vai passar a estar todos os dias a rebentar com japonas e excursões de ingleses de meia idade, de tal forma que os gajos vão reduzir 50%, ou mais, na renda do escritório, mas mais que tudo isso…
Vai abençoar o estaminé, seus distraídos, pá!

Vocês vão ver! Na segunda-feira o pessoal a chegar ao escritório e PIMBA! It’s raining clientes que pagam 500 euros à hora…

Até parece que já me estou a ver! Grandes grupos económicos deste país, come to mama!!!

Oh Naõooooo!

O Daniel qualquer coisa, aquele, o amigo de todo o jogador da bola, esse…
Vai voltar. E traz os amigos.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Diz que vem aí o Papa

O meu Pai foi convidado para ir assistir à missa, aqui no Porto.
Todo engalanado, lá vai ele sentar-se ao pé da padralhada toda.
Tem que ir com uma hora de antecedência, para que seja revistado de alto a baixo pelos manganões que fazem a segurança. Ontem, sabendo disso, liguei-lhe e disse,
Tou, pai? Nada de corta unhas, canivetes suíços, isqueiros e bolas do golf, ok? É que se levares, bem que ficas sem eles e fazem-nos falta para atirar à cabeça do Jesus, tá?
Fez-se silêncio… Ai tu não é boa, rapariga, responde-me ele.
Dei uma gargalhada e combinei coisas para hoje. Tudo bem.

Pelos visto, a minha mãe agora diz diz que não quer ir, que não simpatiza com este papa.
Hoje, logo pela manhã liga-me o meu pai,
Tou, Raquelinha? A mãe diz que não quer ir ao Papa.
Hum… e que tem isso?
Não queres ir tu?
Euuuuu?!?!?
Sim, tu.
Ui, ó Pai, acho que não vai dar.
Mas é tolerância de ponto, não há julgamentos.
Pois tens razão, mas tenho máquinas de roupa para fazer, unhas para limar, ui, montes de coisas…
Pronto então, vou eu.
Pois lá terá de ser.

Para além das inúmeras coisas que certamente terei para fazer, é evidente que não podia à ultima da hora aparecer na missa, em vez da minha mãe, sem ter sido devida e exaustivamente investigada pelo SIS. E ainda que eles conseguissem escrutinar em 10 minutos, que se calhar até conseguiam, a minha vida toda, tenho para mim, que não me iam deixar entrar.

O meu Pai tem cada ideia..


quinta-feira, 6 de maio de 2010

Os caracois da Luisinha

A minha filha sempre teve uma farta cabeleira. Agora, com quase 10 meses tem uns belos caracois de lado, uma franja à deputado do PP e uns cabelos pendurados na nuca, que segundo o irmão, parece o Beluci (jogador do FCP segundo me dizem).
A Luisinha sempre foi um doce. E electrica. Mas um doce.

Porém, a doce Luisinha, há cerca de uma semana ou duas, passa a vida de mão erguida em jeito de quem está pronta para desatar á lambada.

Disse a educadora que os outros meninos, que são todos carecas, acham piada aos caracois dela e fartam-se de lhe puxar os cabelos. A desgraçada já nem vai para o parque.

Eu realmente achava que ela estava agressiva e principalmente comigo. Pudera, sou eu que a deixo todos os dias no campo de concentração…

Então, na segunda feira decidi:
Estou? Infantário? É para dizer que a miss caracois esta semana vai de férias para fora, ok?

Como vim toda a semana para o escritorio da terra pequena tem ficado em casa da minha mãe.
Isso é que é!
Toda suja, com os gatos, os cães, os passaros, as flores, a terra, as formigas!
Abençoada!

Mas na segunda feira acaba-se a brincadeira e ala que se faz tarde.

Miss, só te digo uma coisa, tu não sejas morcona rapariga!


quarta-feira, 5 de maio de 2010

E os cup-cakes que vão mas é ser sodomizados por um senegalês que passou 15 dias no mar alto, ok?

(Nota introdutória: (não, vamos antes chamar-lhe Nota Mental para os leitores da Rachel (ahahahah) - Eu estou no escritorio da terra pequena)
Estava morta de fome.
Fui lanchar.
E fui lanchar à confeitaria Tropicália (nome fino, fashion e tal).
E na confeitaria Tropicália há pão quente a esta hora.
E eu comi um pãozinho acabadinho de sair, dos branquinhos, que eu não gosto de pão tostado, com manteiga e fiambre.
E soube-me pela vida!
Ah! E bebi uma meia de leite escura e morna, que também é uma coisa fina.